Inforbios - Sistema Operativo Pessoal

Moderador: Moderador

Responder
Avatar do Utilizador
Barefaced
Administrador
Administrador
Mensagens: 36712
Registado: 06 jul 2007, 17:43
Localização: @ Home
Contacto:

Inforbios - Sistema Operativo Pessoal

Mensagem por Barefaced » 18 set 2007, 21:01

Inforbios é o nome do mais recente sistema operativo made in Portugal. Nasceu numa loja de informática da Cova da Piedade e foi criado por uma única pessoa. E, sim, foi desenvolvido em Linux.

Imagem


Uma pessoa, um sistema operativo. O princípio pode parecer futurista, mas desde Fevereiro que Paulo Queimadas tem vindo a provar é concretizável. Na loja de informática que gere na Cova da Piedade, Almada, já foram vendidos mais de 40 exemplares do sistema operativo que criou sozinho ”“ o Inforbios, nome homónimo da loja. Hoje, o sistema operativo criado em casa já vai na terceira edição. «Já houve quem julgasse que era o Windows Vista. Só que o Inforbios é mais estável», lembra Paulo Queimadas com alguma ironia.
Como é que uma pessoa sozinha cria um sistema operativo inteiro?
Basta lembrar um dos lemas preferidos de Paulo Queimadas para se obter a resposta: «Deus no céu; Linus na terra». Se quanto a Deus a questão permanece em aberto ao longo dos séculos, no que toca a Linus, não restam muitas dúvidas de que se trata de Linus Torvalds, o criador dos códigos dos sistemas operativos Linux e mentor semi-endeusado pela comunidade do código aberto (open source).
Não é por acaso que Paulo Queimadas mantém Linus Torvalds em elevada consideração. Desde 1997 que o engenheiro mecânico da “Outra Banda” é adepto convicto do software que fornece códigos-fonte a utilizadores, programadores individuais ou empresas. Com base neste conhecimento, decidiu lançar mãos à obra em Novembro de 2006: "O Inforbios surgiu depois de pedidos de clientes e queixas relativas a dificuldades de utilização do Linux".
Hoje, há várias distribuições do Linux, mas são pouco amigáveis», lembra Paulo Queimadas. Quatro meses depois de iniciar uma tarefa considerada impossível para a maioria dos comuns utilizadores de informática, o gerente da Inforbios pôde dar por concluída a primeira versão do sistema operativo. «A primeira versão é baseada numa distribuição de Linux brasileira, que dá pelo nome de Kurumin. Aproveitei o núcleo desta primeira distribuição, fiz as adaptações necessárias para o mercado português e tentei incluir o maior número de ferramentas disponíveis na comunidade Linux», responde Paulo Queimadas.

LINUX PARA A NET
Hoje, o sistema operativo Inforbios já vai na terceira versão. O sistema operativo está longe do fenómeno de massas protagonizado por cada lançamento do Windows, mas conta já com mais de 40 licenças vendidas ou cedidas gratuitamente em computadores comprados na loja da Cova da Piedade. Grande parte dos clientes solicita a instalação do Inforbios em simultâneo com sistemas operativos Windows, que a loja também comercializa. «Às vezes, é complicado convencer as pessoas, mas costumo recorrer a um argumento de peso: navegar na Net sem vírus ou chatices. Isso geralmente leva as pessoas, pelo menos, a experimentar», comenta. Com os dois sistemas operativos instalados no PC, o utilizador pode recorrer ao Windows para todas as tarefas rotineiras e utilizar apenas o Inforbios quando pretende aceder à Internet.
Os sistemas operativos baseados em Linux são ainda largamente minoritários, o que significa que são também menos atractivos para os produtores de códigos maliciosos. Logo, ao aceder à Net através de um sistema operativo como o Inforbios, o utilizador reduz em grande parte o “contacto” com as principais ameaças e passa a preocupar-se menos com as actualizações de antivírus.
De resto, a comutação entre Windows e Inforbios está facilitada por um sistema que permite correr o sistema operativo da Microsoft a partir de uma “janela” do ambiente Linux, como se fosse uma vulgar aplicação (também é possível fazer o contrário). Esta fl exibilidade só se tornou possível com a integração de uma ferramenta de virtualização criada pela VMWare. É através desta ferramenta que Paulo Queimadas repara alguns computadores com Windows instalado. Para o efeito, basta colocar um CD com o Inforbios no computador e aceder ao Windows, sem ter de efectuar qualquer instalação.

Imagem
Imagem


Sem Linhas de Código
Muito do trabalho de Paulo Queimadas enquanto arquitecto-chefe do Inforbios teve por base dois factores: a proliferação e o conhecimento de ferramentas para Linux e o contacto profícuo com as necessidades dos clientes.
Tudo o resto consistiu na compilação de ferramentas que são disponibilizadas gratuitamente na Internet e a adaptação das aplicações a um ambiente que prescinde do conhecimento das linhas de código que regem o Linux. Ainda que bem diferente do que, normalmente, se faz com outros sistemas operativos, a adaptação das aplicações compiladas no Inforbios não deixou de ser um trabalho árduo. Paulo Queimadas estima que 15% do trabalho exigido pelo desenvolvimento do Inforbios esteja relacionado com a adaptação de aplicações. Em alguns casos, a adaptação implicou a alteração de mais de metade dos ficheiros originais. «É vantagem do open source. Cada um faz o que quer dos códigos», explica o criador do Inforbios.
O resultado final prova que o esforço valeu a pena. Hoje, o Inforbios dispõe de dezenas de ferramentas de trabalho que podem ser instaladas com um único clique e sem ter de digitar uma única linha de código. «Tive de tornar o Linux menos Linux. O objectivo foi criar um sistema operativo que pode ser utilizado por qualquer pessoa e demonstrar que o Linux não se destina apenas a quem tem grandes conhecimentos técnicos», sublinha Paulo Queimadas.
Apesar de potencialmente gratuito (quem optar por comprar o CD, paga 24,90 euros), o Inforbios não deixa de padecer de algumas das lacunas próprias do mundo Linux. Em alguns casos, a instalação de aplicações e dispositivos comerciais pode deparar-se com alguma incompatibilidade, devido à inexistência de drivers que permitem a interligação entre o que se pretende instalar e o próprio sistema operativo. A inexistência de drivers é, por norma, temporária e afecta especialmente aplicações e equipamentos menos populares. Nestes casos, resta esperar que a comunidade Linux crie novos códigos que permitem a adaptação de aplicações e equipamentos que, geralmente, são desenvolvidos a pensar no mundo Windows.
Outra das opções é escolher dispositivos que já dispõem de drivers para Linux. Para os utilizadores habituados ao Windows, a actualização e a assistência técnica do mundo Linux também pode parecer um pouco mais complicada. Paulo Queimadas desmistifi ca o problema: «O Inforbios é baseado em Debian e o cliente não tem de se preocupar com actualizações. Todo o software instalado no Inforbios pode ser automaticamente actualizado na Internet».

COMO SE FAZ UM SISTEMA OPERATIVO EM CASA

O Inforbios tem por base componentes de algumas das distribuições de Linux mais conhecidas. A saber: Kurumin; Kanotix; Sidux; Debian; e Knopix.
Do porta-fólio de ferramentas instaladas de origem no Inforbios constam: aplicações de processamento de texto; correio electrónico; software de produção de páginas; sistemas de mensagens instantâneas; programas “tipo CAD”; utilitários que permitem a instalação de aplicações do Windows; leitores multimédia e gravadores de DVD e CD; programas de partilha de ficheiros; jogos; e um sintonizador de canais de TV disponíveis na Web. São dezenas de programas criados pela comunidade open source, que podem ser instalados com um único clique.
O Inforbios foi criado por um adepto do Linux, mas não representa propriamente um corte radical com o Windows. Os menus (em português), as janelas e o tradicional botão direito do rato funcionam de forma similar à do Windows.
Entre os atractivos do Inforbios encontra-se a possibilidade de criar 20 sessões de utilizador em simultâneo. As sessões podem ser alternadas com alguns efeitos visuais mais ousados.



Imagem

Compilação por:
Barefaced
Imagem
Imagem

Responder

Voltar para “Outros - Free Zone”